segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Agenda de Collor para amanhã - 17/08 (terça-feira)

08h: Palestra no CREA sobre projetos de infraestrututa para Alagoas

10h: Recebe Comenda Arnon de Mello na Câmara de Vereadores de Maceió

19h: Entrevista à TV Gazeta de Alagoas (AL TV 2ª Edição)

20h: Caminhada na Barra de Santo Antonio

21h: Caminhada em Paripueira

Mais informações, acesse o blog oficial da campanha, clicando aqui...

2 comentários:

  1. A meu ver, antes de Collor, vivíamos na idade das pedras. Em 2006, acompanhei um debate muito construtivo sobre o governo Collor, no fórum “Jusnavegandi”, um advogado chamado Gentil Pimenta Neto, do Rio, soube colocar o dedo na ferida. Confiram o trecho: “Você ia nas lojas e só via a maldita marca BRASTEMP. Era máquina de lavar Brastemp, fogão Brastemp, geladeira Brastemp, e outras porcarias mais. Eu tinha uma máquina de lavar aqui em casa que ficava amarrada na parede, caso contrário a desgraçada ia sambando pela área à fora de tão ruim, fora o barulho infernal que fazia. Televisão? Só tínhamos opção de Philips ou Philco. Videocassete só por contrabando. Microondas nem pensar. Computador, isso era sonho de milionário porque tínhamos a estúpida lei denominada de “reserva de informática” porque a IBM pagava propina aos políticos para só eles poderem explorar esse mercado no Brasil e assim venderem os ferros-velhos degradados e arcaicos que produziam a preço de ouro. A inflação estava quase 75% ao mês. À época, eu tinha uma agência de automóveis e tinha que remarcar os preços dos veículos todo dia. Ninguém trabalhava mais, era melhor investir no mercado financeiro. O Brasil não produzia, estava estagnado. Nossas crianças não tinham direito a brinquedos a não ser que caíssem nas mãos da fábrica ´Estrela`, caríssimos, ou do Ministro Funaro com aquela porcaria de ´Lego`, lembram? Uma bicicleta Calói ou Monark (e só havia essas) custava em média $480,00 dólares.”

    ResponderExcluir
  2. Francisco Gregório17 de agosto de 2010 10:45

    Belchior, também acompanhei o debate na jusnavegandi. Também fui eleitor de Collor. Quero pegar carona no seu raciocínio sobre a modernização. Como Collor dizia, os nossos automóveis realmente eram verdadeiras carroçasr. Só havia espaço para os produtos da atrasada Volkswagen, que realizava dumping, nos vendendo Voyage com peças obsoletas e com preços enormes aqui, faturavam absurdo e, com os lucros, exportava para os EUA um tal FOX. Era um carro formalmente com o mesmo desenho do Voyage, mas com peças e equipamentos moderníssimos para a época. E, vejam só, se convertido para o dólar, seu preço era bem mais em conta do que o Voyage que nos enfiavam pela guela. Foi Collor que acabou com esta mamata.

    ResponderExcluir